Compostagem doméstica: transforme seu lixo em vida

Você já ouviu falar em compostagem? Esse processo ajuda a reduzir a quantidade de lixo orgânico e ainda pode render um ótimo adubo para a sua horta ou jardim!

A compostagem é um processo biológico que transforma alguns resíduos sólidos – como cascas de frutas, verduras e cascas de ovos – em adubo natural, rico em minerais, pronto para ser utilizado em hortas e jardins. É um sistema simples, que pode ser instalado no seu quintal, dentro de casa ou até mesmo em apartamentos.

Essa é uma excelente forma de reciclar o lixo orgânico produzido diariamente em nossas casas e diminuir a quantidade de rejeitos que acabam em aterros sanitários. Como consequência desta prática, também amenizamos a quantidade de gás metano (CH4) emitido na atmosfera – ele é 25 vezes mais prejudicial para o efeito estufa do que o gás carbônico (CO2).

Conheça mais sobre esse processo e descubra como começar a sua própria compostagem!

Saiba mais: conheça 6 projetos de economia circular que vão mudar o seu ponto de vista!

Compostagem

Com a crescente preocupação dos brasileiros com a sustentabilidade e produção de lixo zero, não é novidade falar sobre a reciclagem de resíduos sólidos. Mas a compostagem já é um processo antigo, por exemplo, diversos agricultores utilizam há décadas materiais orgânicos que seriam jogados no lixo, como adubo natural. No oriente, essa prática acontece pelo menos desde o século passado – já aqui no lado ocidental, demorou um pouco para chegar, tendo registros da sua utilização a partir da década de 20.

A compostagem voltou a ser tratada como uma solução devido a crescente discussão sobre a diminuição da quantidade de lixo produzida nos meios urbanos. Segundo dados do Ipea (Instituto de Pesquisa Econômica Aplicada), mais da metade da produção de lixo das casas brasileiras poderia se tornar adubo.

A compostagem pode ser feita em qualquer casa, é um processo totalmente natural que envolve micro-organismos, como fungos e bactérias, e em alguns casos também minhocas vermelhas, conhecidas também como californianas. Diferente do que muita gente pensa, o processo é totalmente higiênico e, se realizado da forma correta, não emite odores – por isso é indicado até mesmo para famílias que moram em apartamentos.

O resultado da compostagem é o húmus, um fertilizante natural rico em nutrientes, perfeito para adubar hortas e jardins. Em caso de excesso de material, pode até mesmo ser compartilhado, virando uma ótima ferramenta para você engajar os seus vizinhos na causa ambiental.

Entre outros benefícios, a compostagem devolve diversos nutrientes para o solo, como nitrogênio, carbono, magnésio, fósforo e potássio. Ainda favorece a entrada do ar e a circulação de água no solo. O húmus não é agressivo como os fertilizantes industrializados e é grande fonte de nutrientes para as plantas. No caso do uso em hortas, esse adubo natural e de alta qualidade ajuda a produzir alimentos mais saudáveis.

Leia mais: férias sustentáveis: como viajar poluindo menos e sem perder a diversão

Tipos de compostagem

Existem dois tipos principais de compostagem: a seca e a vermicompostagem. A seca é mais recomendada para famílias que possuem casa com quintal, onde podem separar um canteiro para a compostagem no chão. Esse processo acontece sem auxílio externo e pode levar um pouco mais de tempo, apesar de ser mais simples.

Compostagem seca

Para realizar a compostagem seca é preciso fazer um buraco na terra com uns 30 centímetros de profundidade, onde o material orgânico deve ser depositado e coberto com material seco, como restos de folhas secas ou serragem não envernizada. As medidas do buraco vão depender da quantidade de resíduo. É importante regar de vez em quando e revirar todo o material a cada 15 ou 20 dias. Esse processo vai demorar por volta de um ano para se transformar em húmus e ficar pronto para ser utilizado como adubo.

O material seco é a fonte de carbono, que entra em equilíbrio com o nitrogênio, realizando o processo da compostagem. E é fácil de ser encontrada no seu quintal ou em volta da sua casa. Caso você não tenha esse material à disposição, procure pelo seu bairro, por vizinhos que tenham árvores ou até mesmo as folhas que estiverem pela rua servem como material seco.

Vermicompostagem

Dentro de casa ou em apartamentos, é mais recomendado fazer o processo de vermicompostagem em uma composteira – estrutura própria para depositar o material orgânico. As minhocas californianas fazem parte dessa prática, auxiliando na decomposição dos resíduos. Existem diversas composteiras à venda, de diferentes tamanhos e até mesmo opções automáticas. Em geral elas contém três gavetas, as duas primeiras recebem os resíduos e a terceira recolhe o líquido da decomposição produzido no processo. Mas diferente do chorume produzido em lixões, esse líquido é um grande adubo ou fertilizante caseiro – basta diluí-lo seguindo a receita de dez medidas de água para cada medida de húmus (um copo americano (200ml) em 2L de água, por exemplo).

Para o material seco, grama, folhas secas, palha ou serragem grossa podem servir na sua composteira caseira.

Que tal começar hoje mesmo a compostagem em casa? Veja os modelos de composteiras em nosso site e escolha a sua preferida. Lembre-se: a mudança de hábito começa por você!

A Beegreen® é uma empresa ecologicamente responsável, que acredita na sustentabilidade e no consumo consciente. Siga nossas redes sociais, Facebook, Instagram e Linkedin, para saber de todas as nossas novidades.

    Deixe uma resposta

    O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *
















     






    CUPOM: FRETE150








     
    close-link

    Todos os produtos

    Precisa de Ajuda?